Toyota do Brasil exportará motores para a América do Norte

Toyota do Brasil exportará motores para a América do Norte

A planta de Porto Feliz, no interior de São Paulo, será responsável por enviar cerca de 45 mil propulsores por ano
Linha de produção da Toyota em Porto Feliz

Por Diário Motor

A partir de setembro, a Toyota do Brasil iniciará a exportação de motores produzidos na planta de Porto Feliz, interior de São Paulo, para a América do Norte. Segundo a marca, a ideia é fabricar 45.600 propulsores 2.0 por ano para o mercado norte-americano. 

Assim, a primeira fábrica de propulsores da Toyota na América Latina e Caribe tem como missão suprir a alta demanda de veículos daquele mercado. Após serem submetidos a longas baterias de testes, os motores produzidos no Brasil foram certificados por sua durabilidade, eficiência e controle de emissões.

“Estamos iniciando um novo e importante ciclo nas operações de Porto Feliz. Com a exportação de motores para o mercado norte-americano, reforçamos nosso compromisso com o crescimento sustentável da Toyota, contribuindo para que o Brasil seja uma base sólida de exportações. Esse novo passo contribui para equilibrar a dificuldade de operação no Brasil, onde ainda lutamos por mais previsibilidade e melhores condições de negócios”, afirma Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil.

Para atender a nova demanda, a unidade de Porto Feliz passará a operar 24 horas por dia em algumas linhas. Para isso, a empresa já abriu processo seletivo para o preenchimento de 150 postos de trabalho diretos, aumentando a força de trabalho para 540 pessoas na unidade. Os motores “made in Brazil” para o território americano fará com que a fábrica de Porto Feliz aumente sua produção mensal das atuais 13 mil unidades para quase 17 mil.

A japonesa já investiu mais de R$ 1 bilhão na planta do interior paulista. A última rodada de investimento foi em 2018, justamente para a expansão e modernização das instalações para a produção do motor 2.0L Dynamic Force, montado sobre a plataforma TNGA, o que será importado para a América do Norte.

AdvertisementAdvertisement