Rodas & Motores

  1. Caoa Chery Tiggo 7: um SUV bom de briga
  2. Equipe Mercedes de Fórmula 1 com visual agressivo
  3. Teste drive do novo Jetta nas ruas de Goiânia
  4. Segmento Premium somou 50 mil unidades em 2018
  5. Boas expectativas com os motores Honda no chassis Red Bull F1
  6. Fenabrave envolvida em conter aumento de ICMS sobre veículos
  7. Saber dirigir sem vícios
  8. No caminho errado com a Liberty Media
  9. A Yamaha do Brasil  apresentou em São Paulo  seus pilotos e equipes para a temporada 2019
  10. Yamaha Crosser XTZ 150 com freios ABS
  11. Maverick Viñales, o piloto mais rápido no segundo dia de testes oficiais de Motogp
  12. Novo patrocinador da equipe Ferrari de Fórmula 1
  13. Não vai faltar dinheiro para financiar veículos em 2019
  14. Vitória da General Motors no acordo com Sindicato dos Metalúrgicos
  15. Ducati na frente em Sepang
  16. Ford Ecosport Titanium sem estepe e com pneus run flat.
  17. Prefeitura de São Paulo abre licitação para as linhas de ônibus
  18. Bmw, Ducati e Harley fora do Salão duas Rodas 2019
  19. Marc Marquez voando baixo no primeiro dia de testes do MotoGp
  20. Fiat Strada; encerrando um ciclo de sucesso
  21. Os desafios do Inovar Auto
  22. 300 mil veículos produzidos na Nissan em Resende
  23. Competições de carros elétricos
  24. Primeiros testes das Equipes de Formula 1
  25. Visual azul das novas motocicletas Yamaha do MotoGp
  26. Nome AlfaRomeo custou 6 milhões a equipe Sauber
  27. 11 anos da Lei Seca no Brasil
  28. Caoa Chery apresenta o Tiggo 7 em São Paulo
  29. Os efeitos da crise de veículos no Brasil
  30. Erros da General Motors do Brasil
  31. 60 mil unidades emplacadas do Fiat Argo
  32. Testes oficiais do mundial de Motovelocidade começam hoje
  33. Vendas de automóveis em janeiro
  34. Fred Kyrillos venceu o duelo de Motos em Atibaia
  35. Caio Collet na academia Renault Sport
  36. BMW X5 custará no Brasil R$ 449.950
  37. Mercedes-Benz apresenta nova versão do Classe A
  38. McLaren 600LT Spider: o novo Longtail conversível
  39. BMW do Brasil informa clientes sobre recall do BMW M4 Coupé, M4 GTS e M3 Sedan
  40. Vitória de Augusto Farfus na classe GT Le Mans
  41. veja galeria de
  42. teste
  43. Vendas de veículos em novembro
  44. Goiano João Rosate encerra temporada entre os melhores na Stock Light
  45. Muitas festas e mais mortes nas rodovias
  46. Lei para transportar crianças nos veículos
  47. Os pilotos Marc Marquez e Jorge Lorenzo estão quietos e recuperando de cirurgia
  48. Equipes testam no circuito de Yas Marina novos compostos de pneus
  49. Mercado de Scooters em alta
  50. Equipe Cimed anuncia mudanças para temporada 2019
  51. 60 milhões de dólares na edição Dacar 2019
  52. Calendário 2019 da Fórmula 1
  53. Novo compartilhamento do Registro de Veículos
  54. Aposta da Renault na F1 em 2019
  55. Mercado: o Natal está chegando
  56. Museu Ferrari Maranello
  57. Ford Belina 1973
  58. Mercedes 300SL
  59. Opalas 250S
  60. Custo das baterias
  61. Porsche 356
  62. Podcast 002
  63. Podcats 001
  64. Renault na 4ª posição no ranking de vendas
  65. Test drive Toyota Yaris 2019 – Rodas & Motores
  66. Salão do Automóvel de São Paulo 2018
  67. Lamborghini Urus ST-X
  68. Teste 004

O Opala foi lançado em 1968 como novidade absoluta da General Motors que, à época, só produzia caminhões e picapes. Derivava do alemão Opel Rekord e chegou inicialmente só na versão 4 portas e com duas opções de motor, 4 cilindros 2.500 cm3 e 6 cilindros 3.800.  Em 1970 pintou a versão esportiva SS, ainda só com 4 portas, com acabamento especifico, volante de 3 raios, rodas esportivas, painel com conta-giros e faixas

esportivas com a inscrição SS nos para-lamas. Estreou o motor 4.100, evolução do 3.800, bancos individuais e câmbio de 4 marchas com alavanca no assoalho. A carroceria 2 portas só chegou no ano seguinte, naquela época, o comprador brasileiro dava preferência absoluta e exclusiva para os carros de 2 portas, 4 portas só taxis e raros senhores, era carro ~de velho~.

 

O motor 250 S teve uma historia peculiar. Bob Sharp, piloto carioca a época competindo na antiga Divsão 1 com Opala se ressentia, assim como outros pilotos que corriam com esse modelo,  da falta de potência do 4.100 para concorrer com o Ford Maverick Quadrijet V8 5 litros. Mandou uma carta à GM que foi levada em conta mas o regulamento da categoria, que a Confederação Brasileira de Automobilismo redigiu, exigia um

mínimo de 5 mil unidades produzidas em 12 meses para homologar motores na Divisão 1 que, por conceito, apenas admitia carros de série com preparação limitada. Uma brecha no regulamento, descoberta por Clovis Maia no texto da Federação Internacional, entretanto, admitia uma versão denominada de VO, Variante Opcional, que não exigia mínimo. Regulamento internacional superintende os nacionais e,

pronto, o entrave legal esportivo estava resolvido !  Sharp foi colocado em contato cm o engenheiro Roberto Beccardi e ambos estudaram as modificações mecânicas que poderiam ser tecnicamente introduzidas. O motor, de 113, passou a desenvolver 153 cavalos, mantendo os mesmos 4.100 cm3 ou 250 polegadas cubicas. Nasceu assim o 250 S que passou a dividir com os Quadrijet as vitorias nas corridas nacionais.