Quando foi lançado, em 1954, o Mercedes 300 SL já teria sido um case da indústria em razão das inovações mecânicas e da proposta esportiva. Mas as asas de gaivota, as portas abrindo para cima, solução absolutamente oposta ao convencional, acabaram virando  ícones e transformaram um automóvel que já era notável numa referência mundial e eterna.

 

O curioso é que a maneira de abrir as portas surgiu da dificuldade de equilibrar o chassis tubular, novidade na época, peso de apenas 50 quilos, com a necessária estrutura que tomava o espaço lateral normalmente destinado as portas, seria impossível entrar no carro !!!  O projetista Rudolf Uhlenhalt, genial já na concepção, ousou ainda mais elevando a borda inferior das portas e ampliando o espaço para cima, tomando parte do teto. Nascia a forma Gullwing, asa de gaivota, ave marinha de grandes asas, cerca de 1 metro e meio,  que se abrem formando uma imagem característica.

 

O 300 SL, W194 no código interno da Mercedes, já inovava na injeção direta de gasolina, no estilo arredondado e elegante, no perfil aerodinâmico. O motor não era novo, 3 ponto zero, 6 cilindros em linha, Uhlenhalt foi buscar a base nos Mercedes 300 que serviam ao governo alemão. A caretice foi temperada pela injeção direta mecânica que, aliás, impôs a inclinação do motor em 50 graus para não ter que abrir ranhuras no capô, apelação incompatível com o estilo do carro. A potência disponível era de 240 cavalos, caixa manual de 4 marchas com alavanca no assoalho, administração fácil para um carro leve, capô, tampa do porta-malas e portas de alumínio. Zero a 100 em pouco mais de 8 segundos, máximo de 220 km por hora. Parava com quatro tambores, suspensão de braços triangulares, a traseira independente de eixos oscilantes, rudimentar para o desempenho do carro e que exigia boa dose de concentração de quem estava ao volante. Do SL derivaram os SLR, especiais para competição, multivitoriosos sob o comando de Juan Manuel Fangio. Os SL tiveram vida curta, exatamente porque as portas abrindo para cima dificultariam resgate dos ocupantes em caso de acidente. Deixaram de ser produzidos 3 anos depois largando para tras um rastro de sucesso, harmonia e classe que perdura até hoje. Exemplares das primeiras séries são leiloados, quando isso ocorre, por milhões de dólares.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email